Tags

, , , , , , ,

Era uma noite nublada, gélida e tenebrosa. Poucas pessoas se aventuravam a sair do aconchego de suas casas, poucos carros transitavam pelas ruas que estavam desertas.

Um fenômeno bastante raro acontecia para quem se aventurasse a olhar para o vasto céu negro: haviam duas Luas encobertas pelas grandes nuvens carregadas.

Uma adolescente de olhos castanhos se apertava mais em seu comprido, preto casaco de couro, enquanto segurava um extenso livro de japonês e uma mochila pequena nas costas. Seus passos eram apressados, como se estivesse atrasada para algum compromisso importante. A rua estava muito escura devido a má iluminação dos postes presentes. Já era tarde da noite.

Passou por pequenas ruazinhas e viu algo que a deixou espantada: um homem alto e musculoso mostrava a faca para uma outra mulher enquanto a ameaçava. Nunca havia visto cena tão pertubadora. Queria poder ajudá-la, mas como?

Alguma coisa sussurrou em seu ouvido para olhar para cima e assim o fez. As duas Luas começaram a se descobrir e iluminaram o caminho até onde o assaltante praticava o seu roubo. Algo a puxou para lá e quando se deu por si, estava confrontando aquele grande homem com sua estatura pequena. Ele deixou de lado a outra e puxou uma faca para a menina.

A garota, que estava com o cabelo tampando seu rosto, levantou o seu rosto, o mirou seriamente e depois deu uma gargalhada.

– Do que você está rindo? – perguntou o outro ferozmente.

– Estou rindo da surra que eu vou te dar.

E rapidamente, algo sobrenatural aconteceu. As Luas se juntaram quando a menina fechou os olhos. Um vento forte começou a bater e a fazer barulhos gigantescos. Seu corpo começou a brilhar intensamente enquanto abria seus olhos que haviam se tornado azuis, o cabelo que ia até a cintura encurtou-se em uma trança perfeitamente montada.

Assustado, o homem deu alguns passos para trás, ainda não acreditando no que estava vendo. Ela apenas sorriu e aproximou-se dele. Com apenas um aceno de mão, ele estava no chão.

– Quem… Quem é você? – gaguejou antes de desmaiar.

– Eu sou A Vigía.

Uma heroína havia nascido.

E com isso, a lenda da adolescente combatente do crime e da injustiça espalhou-se rapidamente. Dizem que ela continua andando por aí, sempre com um olhar inocente, um sorriso prestes a ser dado e um livro debaixo do braço, apenas esperando para fazer o que fazia de melhor.

Anúncios